Primeiros estudos e trabalhos de Newton com a Filosofia e Religião

Enfim estava Newton na Universidade de Cambridge, no Trinity College, onde vai solidificar os rasos conhecimentos que foi obtido, em sua maioria, graças aos seus estudos autodidata com os livros do boticário Clarck, na época que estava no King's School.

Neste artigo vamos discutir o início da vida acadêmica de Newton, o que fazia, como vivia, o que estudava nessa nova fase de sua vida.

Absorvendo: Deus, Filosofia e Religião


Resumo sobre Isaac NewtonDiferente das universidades e faculdades aqui do Brasil, o funcionamento das instituições acadêmicas da época era bem diferente, pois não haviam diferentes "cursos" acadêmicos, em áreas distintas.
Era um mesmo ensinamento, um apunhado de matérias que eram obrigatórias para todos os estudantes.

No primeiro ano da universidade, eles basicamente estudavam escrita e leitura, de uma maneira mais formal e retórica.
Também estudava literatura clássica, história e línguas antigas, como latim, grego e habraico.

Boa parte desses assuntos Newton já estudava na biblioteca do boticário, por conta própria, então não é de se espantar que ele tenha se saído bem.
Mas também não foi excepcional, provavelmente por serem assuntos tediosos e enfadonhos.

Outra característica marcante daquela época era o envolvimento da igreja em praticamente todos os âmbitos, inclusive acadêmicos.
É difícil para nós visualizarmos isso hoje, mas na época a igreja até decidia que livros as pessoas deviam ler ou não.

No início, Newton agiu simplesmente como uma esponja, lendo, analisando e anotando todo conhecimento que ia adquirindo, apenas absorvendo informações...

Newton começa a contestar e criar

Uma das características mais marcantes e únicas de Isaac Newton é que, desde muito jovem, ainda no Trinity College, Newton passou a tentar entender a natureza.
Ele lia, absorvia o máximo possível e refletia.

O número de anotações encontrados de Newton, onde ele tenta explicar coisas da natureza ou provar fenômenos é gigantesco. Isso é uma característica bem especial, e até natural, de alguém que vai propor teorias, derrubar mitos e criar novos conceitos, como Isaac Newton fez.

As deduções iniciais do jovem Isaac Newton sempre envolvia Deus como parte da explicação dos fenômenos, para ele, e outros grandes pensadores, tudo tinha um dedo Divino, regendo e controlante a natureza.

As anotações de Newton, com as tentativas de explicações, iam desde "Dos átomos", até "Dos espíritos". "De Deus",. "Da água e do sal", "Da leveza e gravidade" e ia tentando misturar sua lógica com explicações religiosas, que era um conhecimento que todos tinham como certos, e que poucos ousavam duvidar.

Não era uma questão de opinião ou escolha, Deus era obrigatório, todos tinham que aceitar e citar.
Os hereges, em outras épocas, eram facilmente condenados à morte se não acreditassem naquilo que a igreja mandava.

Ao passo que dava suas explicações baseadas em teologia, uma característica começa a aflorar no jovem Newton, a de tentar explicar os fenômenos de maneira mais analítica e racional.
Começou a pensar em peso de objetos, temperatura, velocidade, como as coisas se moviam, o motivo disso, o que influenciava...

Poderiamos passar páginas e páginas falando dessas ideias, de mistura de Religião, Divindade, Filosofia, Natureza, Descartes, Aristóteles, Platão, Henry More, Galileu, Bacon etc etc, mas este não é o foco do site Biografia Isaac Newton, mas o importante a saber é que Newton foi cada vez mais deixando de lado a influência de algo divino e de filosofias em seus trabalhos, e ia se tornando, talvez, o homem mais rigoroso no campo das ciências, sempre demonstrando a teoria através de rigor Matemático, e provando tais teorias através da experiência empírica.

Aliás, foi essa mistura de experimentos e rigor matemático que surgiu a Física Clássica.

John Wickins, um companheiro de décadas

Ainda no início de sua estadia no Trinity College, Newton estava certa vez muito triste por seu colega de quarto (afinal, o jeito de ser de Isaac não agradava ninguém, ele não se esforçava para ser mais 'normal' e tão pouco se interessava por coisas normais) e ao passear pela universidade encontrou outro recém chegado aluno, chamado John Wickins que estava com o mesmo problema.

Depois de uma conversa entre ambos, decidiram que iria morar juntos e dispensar seus respectivos colegas de quarto. E assim o fizeram, e assim moraram no mesmo comôdo durante 20 anos.

Há três fatos curiosos a respeito dessa época.
O primeiro é como Wickins aguentou viver tanto tempo com uma pessoa fria, metódica, séria e isolada emocionalmente como Newton.

O segundo fato curioso é que Wickins raramente falou sobre esse tempo.
Certamente ele teria muitas histórias de feitos e da pessoal de Isaac para contar, mas não revelou isso nem quando entrevistado por seu próprio filho.

O mais bizarro ainda é que ele se separaram e nunca mais voltaram a se encontrar, mesmo tendo vivido por mais décadas e décadas, apenas trocaram cartas uma vez ou outra.
Mas não se entende como você mora com um amigo durante 20 anos e depois nunca mais o volta a ver, só sendo alguém bem "diferente", como Newton era.

O fato é John Wickins ajudou Newton com seus estudos, experimentos de alquimia, fazia anotações e conviveu com um dos maiores gênios da humanidade, por muito tempo e certamente estava presente nas descobertas feitas por Newton que vieram a mudar totalmente o jeito que as pessoas viam o mundo.

0 comentários:

Biografia Isaac Newton é um projeto independente.
Para ajudar o trabalho, basta curtir nossa página no Facebook e clicar no botão G+1.

Contamos com seu apoio!